quarta-feira, 30 de maio de 2018

Ontem, na Assemnbeia da República aconteceu uma trampolina


Da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira.

Significada de trampolina:
  • Dito ou acto de trampolineiro
  • Embuste.
  • Trapaça.
  • Velhacaria.
  • O mesmo que trampolinagem, trampolinada e trampolinice.
E para situar o termo na linguagem, é citada uma passagem do romance de Camilo Castelo Branco "A Filha do Doutor Negro" no cap 14, pág. 144: "... quanta hipocrsia e amor de trampolina não são necessários para levantar a questão das raças..."

Vem tudo isto a propósito do que aconteceu ontem na Assembleia da República e que - por agora - a maioria dos deputados chumbaram a aprovação da EUTANÁSIA, discussão levada ao plenário mercê de uma trampolina dos grupos parlamentares do Partido Socialista (PS), do Bloco de Esquerda (BE) e dos Verdes (PEV).

Porque aconteceu uma trampolina?

Simplesmente, porque estes partidos nas eleições do passado dia 4 de Outubro de 2015 não inscreveram nos seus programas eleitorais o assunto da EUTANÁSIA como um desiderato programático a discutir na Legislatura em curso, e portanto, todos eles, cometeram um acto de trampolineiros, de embusteiros, de trapaceiros e, por último de velhacos, ou seja, de traição às camadas do povo que votou neles agindo numa marotice calculada, porquanto, não informaram de tal assunto os seus eleitores.

Eu bem sei que da próxima vez, tendo em conta uma maioria parlamentar - o Partido Socialista e o Bloco de Esquerda - vão inscrever este assunto nos seus programas e, naturalmente, vão fazer passar a lei, porque são maus perdedores e o que lhes está na cabeça-política é a liquidação da vida sob a validação da lei, em vez de cuidarem dela com os novos avanços da Medicina legal até à sua morte natural, o que implica uma maior despesa do poder executivo que representa o Estado, com mais camas para atender aos cuidados paliativos.
  • Será que os mais velhos por terem deixado de ser úteis para a Economia da Nação, arcando com doenças graves ou incapacitantes, embora com o seu consentimento venham a violar o a artigo da Constituição que diz que a vida humana é inviolável, são pessoas a descartar?
  • Mas não cumpre ao Estado defender a Constituição da República e, portanto, não ajudar a que a Lei seja violada?
Claro que cumpre, porque se qualquer cidadão violar as leis vigentes, de caminho o Estado através dos Tribunais fá-lo pagar pelo seu desmando, razão que nos leva a admitir que não pode o Estado ajudar a violar uma Lei Fundamental da Constituição da República - como é a defesa da vida considerada inviolável pelo Legislador -  e  cujos ministros, em funções, na tomada de posse dos seus cargos juraram defender.

Sem comentários:

Enviar um comentário