terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

"No Céu se pagam os crimes"...



Era então, um jovem, quando ouvi pela primeira vez esta cantiga e nunca mais a esqueci pela pureza de um amor que via naquele "castigo" uma bênção do Céu que se reflectia nos olhos do seu derriço.

Foi num serão, dos muitos a que assisti na minha aldeia, onde os tocadores de guitarra e os cantadores tinha para mim um esplendor muito especial a que não faltava o calor dos bailadores e o dos meros circunstantes que lhes davam todo o carinho ambiental, sadio e perfumado de um valor humano, hoje perdido.

Fica aqui com o nome do tocador Aurélio Ramos e do cantador Eduardo Costa, que há muitos anos abrilhantam no Céu onde "vivem" os "serões das almas boas", tendo-o conquistado nos serões terrenos que a sua graça e simplicidade encheram de muito amor humano nos velhos tempos estivais, que se foram... e não voltam mais!

Sem comentários:

Enviar um comentário