domingo, 25 de fevereiro de 2018

Ligeira intromissão na "Gaudium et Spes"

........................................................................

Documento fundamental do Concílio Vaticano II inaugurado em 11 de Outubro de 1962, após a realização de quatro sessões foi encerrado em 7 de Dezembro de 1965, é conhecido como a sua única Constituição Pastoral dedicada ao tema da "Igreja no mundo contemporâneo", tratando com esmero as relações entre a Igreja e o Mundo onde ela actual foi votado na quarta e última sessão daquela reunião das autoridades eclesiásticas.

Formam-no duas partes: A primeira de cariz doutrinário onde não falta - finalmente - a abordagem do sacerdócio comum de todo o Povo de Deus e a segunda, com o centro nos diversos problemas do Mundo actual, como as injustiças sociais entre classes e povos, os perigos das armas nucleares e o problema da economia.

Este Concilio surgiu - na linha orientadora que eles têm - como um esforço comum da Igreja para defesa, guarda e clareza da Fé e doutrina, e constituiu um acontecimento notável que trouxe ao seio da Igreja muitos dos seus seguidores mais afastados por terem visto nele - e com especial relevo para a Constituição Gaudium et Spes - uma aragem nova que penetrou nas consciências ao tomarem conhecimento das novidades que apareceram na Teologia e na hierarquia da Igreja, de onde sobressaiu o facto das Missas passarem a ser celebradas na língua de cada País, com o abandono do latim para estas cerimónias litúrgicas.

Muitas vezes o ícone utilizado para a Constituição Gaudium et Spes - excluindo a balança com o seu equilíbrio - é o Brasão do Papado ou do Vaticano com as chaves do Céu cruzadas e em que a chave de prata simboliza o poder de desligar a Terra do Céu e a chave de ouro simbolizar o poder contrário, ou seja, ligar a Terra e o Céu
No ícone que se reproduz em epígrafe, a balança equilibrada simboliza esta Constituição pelo equilíbrio doutrinário que a informa e em que a justiça social é, um dos lemas principais apontados pela Igreja a todos os homens e às sociedades onde vivem e devem ser respeitados.

Não é intenção deste "post" entrar - até por falta de conhecimentos teológicos - na análise da Gaudium et Spes, mas com toda a convicção humana deixar aqui um convite à sua leitura integral, na certeza que é da sua leitura que partem feixes de um melhor entendimento do papel da Igreja actual para a actualidade do tempo que vivemos.

Fica, apenas, o princípio.


PROÉMIO.
 Íntima união da Igreja com toda a família humana

1. As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos aqueles que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo; e não há realidade alguma verdadeiramente humana que não encontre eco no seu coração. Porque a sua comunidade é formada por homens, que, reunidos em Cristo, são guiados pelo Espírito Santo na sua peregrinação em demanda do reino do Pai, e receberam a mensagem da salvação para a comunicar a todos. Por este motivo, a Igreja sente-se real e intimamente ligada ao género humano e à sua história.

A quem se dirige o Concílio: todos os homens

2. Por isso, o Concílio Vaticano II, tendo investigado mais profundamente o mistério da Igreja, não hesita agora em dirigir a sua palavra, não já apenas aos filhos da Igreja e a quantos invocam o nome de Cristo, mas a todos os homens. Deseja expor-lhes o seu modo de conceber a presença e actividade da Igreja no mundo de hoje.

Tem, portanto, diante dos olhos o mundo dos homens, ou seja a inteira família humana, com todas as realidades no meio das quais vive; esse mundo que é teatro da história da humanidade, marcado pelo seu engenho, pelas suas derrotas e vitórias; mundo, que os cristãos acreditam ser criado e conservado pelo amor do Criador; caído, sem dúvida, sob a escravidão do pecado, mas libertado pela cruz e ressurreição de Cristo, vencedor do poder do maligno; mundo, finalmente, destinado, segundo o desígnio de Deus, a ser transformado e alcançar a própria realização.

Para iluminar a problemática humana e salvar o homem

3. Nos nossos dias, a humanidade, cheia de admiração ante as próprias descobertas e poder, debate, porém, muitas vezes, com angústia, as questões relativas à evolução actual do mundo, ao lugar e missão do homem no universo, ao significado do seu esforço individual e colectivo, enfim, ao último destino das criaturas e do homem.

Por isso, o Concílio, testemunhando e expondo a fé do Povo de Deus por Cristo congregado, não pode manifestar mais eloquentemente a sua solidariedade, respeito e amor para com a inteira família humana, na qual está inserido, do que estabelecendo com ela diálogo sobre esses vários problemas, aportando a luz do Evangelho e pondo à disposição do género humano as energias salvadoras que a Igreja, conduzida pelo Espírito Santo, recebe do seu Fundador. Trata-se, com efeito, de salvar a pessoa do homem e de restaurar a sociedade humana. Por isso, o homem será o fulcro de toda a nossa exposição: o homem na sua unidade e integridade: corpo e alma, coração e consciência, inteligência e vontade.

Eis a razão por que este sagrado Concílio, proclamando a sublime vocação do homem, e afirmando que nele está depositado um germe divino, oferece ao género humano a sincera cooperação da Igreja, a fim de instaurar a fraternidade universal que a esta vocação corresponde. Nenhuma ambição terrena move a Igreja, mas unicamente este objectivo: continuar, sob a direcção do Espírito Consolador, a obra de Cristo que veio ao mundo para dar testemunho da verdade para salvar e não para julgar, para servir e não para ser servido.
............................................................

Não sublinho, propositadamente, qualquer citação inserta neste três primeiros números de tão vasto, profundo e actualíssimo documento do Vaticano II, que bem merece um aplauso de todos os homens de boa vontade em  ordem  à comunhão universal para onde aponta o seu título latino - Fé e Esperança - na convicção que tenho que esta dicotomia, um dia, se há-de cumprir no fruir da Humanidade e onde o Deus verdadeiro que fez nascer a era apostólica, que esta tenha entre os homens o lugar que lhe pertence.

A Gaudium et Spes é para aí que aponta nas duas partes de que se compõe e é, lendo-a e meditando-a que se pode concluir que a Igreja do nosso tempo é uma realidade que "esconde" no seu seio a intemporalidade que suscitou na última metade do século XX um alarde do divino que rege todos os homens, mas com  especial relevância para aqueles que por um Mistério impenetrável tem a seu cargo serem testemunhas daquele Deus incarnado que um dia se fez ouvir no Sermão da Montanha, onde muito do que foi dito neste documento conciliar teve ali a sua Fonte inspiradora.

Sem comentários:

Enviar um comentário