sábado, 24 de março de 2018

"A vida humana é inviolável"


Da Constituição da República Portuguesa:

TÍTULO II
Direitos, liberdades e garantias
CAPÍTULO I
Direitos, liberdades e garantias pessoais
Artigo 24.º
Direito à vida

1. A vida humana é inviolável.

............................................................................

Inviolável, uma palavra "desconhecida" para os que se propõem aprovar no Parlamento a eutanásia, sem  se importarem com aquilo que significa  o nº 1 de artigo 24º da Constituição - uma "Bíblia" para eles quando lhes apraz defender as suas questões - mas passando por cima desta  palavra - INVIOLÁVEL - que lhes devia barrar o caminho, ao afirmar a Constituição que a vida humana, por não ser um objecto, adquire com o nascimento o poder de não ser profanada, por ser inviolável.

Mas não. Para os apaniguados da eutanásia nem sequer é preciso rever a Constituição porque para eles, a Lei Fundamental não existe, quando querem fazer valer os seus fundamentalismos.

Eis, porque - a maioria do nosso Parlamento, a ter em conta o que por aí vai - faz "letra morta" daquela pequena frase da nossa Constituição e ultrapassa-a impante - sem alma e coração - querendo a todo o custo criar uma lei que permita ceifar a vida humana com o argumento "piedoso" de ser o paciente a tomar a decisão - VIOLANDO-A - em vez de a proteger com as novas técnicas médicas, como mandam as mais elementares regras humanas, que ficam  postas em causa com este propósito sem nome e sem lei, mas de que os "eutanasistas" não querem desistir de a conseguir.

Está velho (a).
Não presta. 
Não é útil à sociedade.
Estamos a chegar ao fim duma civilização e a dar lugar à barbárie que se quer instalar ante o olhar complacente da nossa sociedade adormecida que faz dos doentes terminais empecilhos, em vez de lhes garantir o dom da vida até ao instante final.

Vão conseguir esta lei?

Vão, de certeza, porque Portugal adormeceu e está a cair por demais nestes extremistos radicais que leva, hoje, a haver em muitas camadas sociais uma tremenda falta de respeito pela vida humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário